As dificuldades de ser um brasileiro na França

Muitos amigos meus me perguntam sobre quais são as principais dificuldades de viver em um país como a França sendo uma pessoa como eu. Para quem não me conhece pessoalmente, essa pergunta pode parecer meio estranha. Mas a verdade é que eu realmente respiro cultura brasileira e me sinto um peixe fora d’agua toda vez que me vejo tendo que colocar mais de dois agasalhos pra sair na rua. Eu gosto mesmo é de vestir uma bermuda, ouvir um Dudu Nobre e deitar na rede enquanto o jogo do Vasco não começa! Nada disso pode ser feito aqui hahaha.

Por isso é mesmo bem difícil viver aqui na França, onde não raramente os termômetros marcam temperaturas abaixo de zero (não suporto frio), onde as pessoas são pouco abertas para conversas e a comida é tão diferente. Ainda não consegui me acostumar com o fato de que aqui não existem pães de queijo, por exemplo. Para dizer a verdade, são raras as vezes que saio de casa para passear, pois nada aqui me lembra o Brasil. Meus passatempos se resumem, então, a fazer coisas relacionadas à religião, como estudar a bíblia, por exemplo. E aí é dureza também porque mesmo algo que me cativa tanto, que é a religião cristã, eu encontro dificuldades em frequentar as missas que acontecem na Igreja de Sacre Coeur, pois ainda não sou fluente em francês e não consigo absorver quase nada dos sermões do padre. Mas não importa. Esses dias eu estava lendo esse artigo a respeito do estudo sobre oração e percebi que o único com quem preciso de fato me comunicar é Deus, pois com ele nunca estarei sozinho. Tem sido muito valioso esse novo apreço às palavras divinas, pois de repente eu vejo que as minhas queixas sobre as dificuldades de ser um brasileiro morando provisoriamente na França ficam pequenas diante de todos os mistérios do mundo. E adivinhe quem detém as respostas sobre esses mistérios? Isso mesmo, Deus. Então tenho completa consciência de que estabelecendo um contato com Ele e não necessariamente com as pessoas à minha volta é algo que pode beneficiar muito os meus conhecimentos e a minha sabedoria perante às questões mais importantes dessa vida.

Tenho o Senhor no coração, e por isso nada me faltará. Focarei nesse fato e vou seguir mentalizando que daqui a menos de um mês poderei voltar a encontrar minha família. E isso me basta. Logo esse brasileiro está de volta em sua rede, ouvindo seu Dudu Nobre e vendo o Vasco golear! Um grande abraço a todos os que acompanham o blog.

Saudades de casa em terras francesas

Depois de passar muito tempo levando uma vida dividida entre dois países (Brasil e França) vi que há muito o que se falar sobre os desafios de manter uma vida estável em família, dando a atenção que minha esposa e filhas merecem. É um grande desafio, e já passamos por muitas situações complicadas por conta desse movimento inconstante ao qual fui obrigado a me acostumar devido às minhas obrigações profissionais como comissário de voo.

Durante os longos meses de inverno vivendo em Paris, sentia uma imensa solidão toda vez que percebia que passaria o natal longe de Amanda, minha esposa e de Julia e Tarsila, minhas filhas pequenas. Elas têm 8 e 12 anos, respectivamente. É complicado porque eu e minha esposa jamais tínhamos ficado separados

por mais de alguns dias, até que consegui esse emprego em meio à crise e fui forçado a aceita-lo.

Decidi começar esse blog para lutar contra uma tendência que venho percebendo em meu comportamento. Acho que passar tanto tempo longe delas me fez cair aos poucos numa espécie de depressão, num vazio de espírito, que graças a Deus consegui estabilizar depois de me apegar a algo que fosse capaz de me manter sob controle durante o tempo em que eu estivesse por aqui, na França. Acho que a melhor coisa que fiz ultimamente foi adquirir um curso de teologia à distância, pois isso me fez ver que, mesmo longe, não estou sozinho.

A presença de Deus em minha vida adquiriu novo significado depois que comecei a aprender sobre os planos Dele para esse mundo, que era algo com que eu realmente passei muitos anos sem perceber. Sim, fui um homem sem religião por muito tempo. E agora posso atestar a falta que isso me fazia. Acho que, no fundo, fiz esse blog para compartilhar isso com outras pessoas que talvez possam estar passando por uma situação parecida com a minha. Acreditem, sei como esse sentimento de solidão pode nos consumir e colocar em nossas cabeças pensamentos obscuros. Mas acreditem quando digo que, ao aprender o que é teologia e tudo o que a envolve, minha vida mudou para muito melhor.

Tenha em mente que você nunca está sozinho quando Deus está ao seu lado, auxiliando nos momentos difíceis e presenciando com alegria os seus momentos de plenitude. Particularmente, esses meus momentos são quando estou no Brasil junto delas, mas seja lá quais forem esses momentos para você, eles podem ser muito melhores quando você entende o valor da presença de Deus na sua vida.

Bom, vou parando por aqui nesse primeiro post, mas espero conseguir transformar esse blog numa espécie de “diário de bordo”, compartilhando com vocês as minhas novas percepções como alguém que recentemente se descobriu acolhido pelos belos ensinamentos cristãos. E enquanto isso, nesse momento que a saudade vai batendo forte, vou postar aqui embaixo algo que lembra muito as minhas filhinhas. É um vídeo que ensina a fazer massinha play doh (elas adoram esse tipo de coisa hahaha), e vou testar aqui na França pra mostrar a elas quando voltar pro Brasil. Que saudade…